Segunda, 23 de Maio de 2022
26°

Nuvens esparsas

Campo Grande - MS

Internacional Só brigam!

F-16 dos Emirados Árabes Unidos interceptam mísseis sobre Abu Dhabi

Milícia terrorista Houthi, do Iêmen, teria assumido autoria do ataque

24/01/2022 às 15h57
Por: Redação Fonte: R7
Compartilhe:
F-16 dos Emirados Árabes Unidos interceptam mísseis sobre Abu Dhabi

Os Emirados Árabes Unidos interceptaram dois mísseis balísticos sobre sua capital Abu Dhabi na manhã desta segunda-feira, informou a agência de mídia estatal WAM.

“O Ministério da Defesa anunciou na segunda-feira que suas forças de defesa aérea interceptaram e destruíram dois mísseis balísticos direcionados aos Emirados Árabes Unidos, que foram disparados pela milícia terrorista Houthi”, disse a agência.

O ministério confirmou que não houve vítimas do ataque e que “fragmentos dos mísseis balísticos caíram em diferentes áreas” ao redor de Abu Dhabi.

No Twitter, o órgão divulgou um vídeo da ação. "O Comando de Operações Conjuntas MOD anuncia que às 4:10 horas, horário do Iêmen, um F-16 destruiu um lançador de mísseis balísticos em Al Jawf, imediatamente depois que o equipamento lançou dois mísseis em Abu Dhabi. Eles foram interceptados com sucesso por nossos sistemas de defesa aérea".

Os mercados de ações da região rica em petróleo caíram após as notícias, e o principal índice de ações de Dubai, o Índice Geral do Mercado Financeiro de Dubai, recuou mais de 2%. As seis ações mais valiosas do índice caíram, e o gigante do setor imobiliário Emaar liderou perdas de mais de 3,5%.

De acordo com a CNBC, o Departamento de Estado dos EUA emitiu um alerta de segurança logo após a tentativa de ataque, e orientou os americanos na área a tomarem medidas de precaução.

“Houve relatos de um possível ataque com mísseis e atividades de defesa antimísseis em Abu Dhabi nesta manhã. A Embaixada lembra a todos os cidadãos americanos nos Emirados Árabes Unidos que mantenham um alto nível de conscientização sobre segurança”, dizia o alerta.

A resposta foi rápida. O Ministério da Defesa dos Emirados Árabes Unidos divulgou um vídeo em sua conta oficial no Twitter mostrando a destruição do que disse ser um lançador de mísseis balísticos no noroeste do Iêmen por um caça F-16.

Um porta-voz militar houthi reivindicou a responsabilidade pelo ataque em um comunicado no canal de televisão houthi Al Masirah, dizendo que o grupo atacou os Emirados Árabes Unidos com drones e mísseis balísticos. Os Emirados Árabes Unidos continuariam a ser um alvo, alertou, “enquanto os ataques ao povo iemenita continuarem”.

“Avisamos empresas e investidores estrangeiros a deixarem os Emirados!” disse o porta-voz, Yehia Sarei, segundo uma tradução da Associated Press. “Este se tornou um país inseguro!”

Ataques sem precedentes

O lançamento do míssil direcionado ocorre apenas uma semana após um ataque mortal reivindicado pelos houthis em Abu Dhabi, que usou o que autoridades dos Emirados Árabes Unidos dizem serem drones e mísseis. Os ataques atingiram uma instalação de armazenamento de combustível da empresa estatal de petróleo Adnoc e um canteiro de obras perto do aeroporto internacional de Abu Dhabi e mataram três pessoas.

“A milícia houthi no Iêmen reivindicou a responsabilidade pelo ataque de 17 de janeiro a Abu Dhabi e declarou a intenção de atacar países vizinhos, incluindo os Emirados Árabes Unidos, usando mísseis e sistemas aéreos não tripulados (drones)”, disse o alerta do Departamento de Estado.

Os ataques de 17 e 24 de janeiro são sem precedentes em sua intensidade e alcance, dizem analistas, e são os primeiros ataques reivindicados pelos houthis oficialmente confirmados como ocorridos nos Emirados Árabes Unidos.

Há muito visto como um raro exemplo de estabilidade em uma região turbulenta, os Emirados Árabes Unidos são um centro logístico e comercial e o terceiro maior membro produtor de petróleo da Opep. Adnoc — a Abu Dhabi National Oil Company — controla as operações de petróleo em Abu Dhabi, lar da maior parte do petróleo bruto do estado. Os Emirados Árabes Unidos são o sétimo maior produtor de petróleo do mundo, bombeando pouco mais de 4 milhões de barris por dia.

O aumento dos riscos aumentará ainda mais as preocupações com os mercados de petróleo, disse Ed Bell, diretor sênior de economia de mercado do banco Emirates NBD, com sede em Dubai.

“Os riscos geopolíticos nas últimas semanas na Europa Oriental e no Oriente Médio em geral aumentarão a ansiedade sobre a segurança do fornecimento de energia em um momento em que muitas economias já estão enfrentando altos custos de energia”, disse ele à CNBC.

“Embora não tenha havido interrupção material no fornecimento físico, os mercados provavelmente adicionarão um prêmio de risco político aos preços do petróleo no curto prazo, ajudando a manter os preços elevados.”

O petróleo Brent de referência internacional estava sendo negociado a US$ 87,59 por barril na segunda-feira às 14h30, horário local, uma queda de 0,3%. A commodity tem subido constantemente nos últimos meses e acumula alta de 13% no ano, elevada por sinais de aperto no mercado e preocupações persistentes de uma  incursão russa na Ucrânia.

Os houthis, um movimento rebelde iemenita apoiado pelo Irã, estão desde 2015 em guerra com uma coalizão liderada pela Arábia Saudita que inclui os Emirados Árabes Unidos. O conflito sangrento e prolongado, que levou dezenas de milhares de iemenitas à fome, foi desencadeado com a ofensiva de bombardeio liderada pela Arábia Saudita que começou em março de 2015, depois que militantes houthis assumiram o governo do Iêmen e expulsaram uma liderança que foi apoiada pelos sauditas.

Embora Abu Dhabi tenha reduzido amplamente as forças terrestres de seu país no Iêmen em 2019, ainda apoia forças por procuração lá, algumas das quais privaram os houthis de importantes ganhos territoriais após meses de intensos combates. Analistas dizem que os ataques aos Emirados Árabes Unidos são uma retaliação por isso.

O uso de drones — mesmo comercial — foi proibido nos Emirados Árabes Unidos, e o Ministério da Defesa disse na segunda-feira que está “totalmente pronto para lidar com quaisquer ameaças” e que “tomará todas as medidas necessárias para proteger os Emirados Árabes Unidos de quaisquer ataques”.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias