Segunda, 19 de Abril de 2021 02:29
67 99879-8533
Brasil Perseguidos?

Bolsonaro acusa Dallagnol e diz que diálogos revelam perseguição à sua família

Critica procurador em suas páginas e o Senador Flávio replica mensagem

26/02/2021 14h53 Atualizada há 2 meses
Por: Redação Fonte: Poder360
O presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia no Palácio do Planalto; nesta 6ª, criticou o procurador Deltan Dallagnol e seus pares por troca de mensagens
O presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia no Palácio do Planalto; nesta 6ª, criticou o procurador Deltan Dallagnol e seus pares por troca de mensagens

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta 6ª feira (26.fev.2021) que houve “perseguição” sua família em diálogos entre o procurador Deltan Dallagnol e seus pares no Ministério Público. As críticas foram publicadas nas páginas oficiais de Bolsonaro em todas as redes sociais.

Segundo o presidente, “além de quebra criminosa de sigilos”, houve “a tentativa de cooptar o entorno do Presidente da República para a escolha do PGR [procurador-geral da República] em 2019”.

Na publicação, Bolsonaro compartilhou um texto no qual está a foto do filho mais velho do presidente e senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), investigado por comandar um suposto esquema de “rachadinhas” na Alerj (Assembleia Legislativa no Rio de Janeiro).

“Dallagnol querer dizer ser brincadeira tais diálogos, demonstra querer fugir de sua responsabilidade”, escreveu o presidente.

Bolsonaro diz que as mensagens do vazamento foram trocadas em 2019, quando ele já era presidente da República. E finaliza afirmando: “ISSO É CRIME! (sic)”.

Flávio Bolsonaro compartilhou a mesma mensagem para os inscritos em seu canal no Telegram nesta 6ª feira (26.fev).

Em 12 de fevereiro, o presidente Jair Bolsonaro disse que foi citado nas mensagens apreendidas pela Polícia Federal e obtidas por hackers que invadiram celulares de autoridades brasileiras, como o ex-juiz Sergio Moro e procuradores da Lava Jato.

A apoiadores no Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou na ocasião que solicitaria acesso ao conteúdo para depois divulgá-lo.

“Para que não haja dúvida, mandei pedir aquela matéria hackeada que está na mão do PT, do Lula, onde tem meu nome lá. Alguma coisa já passaram para mim. Vocês vão cair para trás. Chegando eu vou divulgar. O Lula não vai, já falou que não vai. Eu vou divulgar”, disse.

As conversas, atribuídas a procuradores da operação Lava Jato, como Deltan Dallagnol, e a Moro, mostram que o então juiz federal fazia pedidos e orientações ao colega. O ex-ministro também informava ao então coordenador da Lava Jato no Paraná, antecipadamente, medidas judiciais adotadas contra investigados. Tanto Moro quanto os procuradores não reconhecem a autenticidade das mensagens.

Em 9 de fevereiro, por 4 votos a 1, os ministros da 2ª Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) mantiveram a decisão de Ricardo Lewandowski que garantiu ao ex-presidente Lula o acesso aos diálogos.

Segundo Bolsonaro, autoridades teriam falado sobre a vida financeira dele e de sua família nas mensagens.

“Você vê a perseguição ali, conversa de autoridades, falando como é que entravam na minha vida financeira, da minha família. Você tem que entrar, mas tem que ter ordem judicial”, declarou a apoiadores.

O presidente afirmou que quer “pegar o cara que vendia informações dentro do Coaf [Conselho de Controle de Atividades Financeiras]”.

“Já tenho alguma coisa que tem chegado para mim, agora vou conseguir, espero que o Supremo me dê. Deu para o Lula, já que a imprensa diz que meu nome tá lá dentro, dê para mim também”, completou.

Ele1 - Criar site de notícias