Quinta, 25 de Fevereiro de 2021 06:20
67 99879-8533
Política & Geral Rearranjo

Mourão diz que Ernesto Araújo pode deixar Relações Exteriores

Mourão cita troca pós-eleições no Congresso e diz que queria atuar mais no governo

27/01/2021 14h14
33
Por: Redação Fonte: Poder360
Presidente Jair Bolsonaro participa da solenidade de Ações de Graça, acompanhado pelo vice-presidente Hamilton Mourão, no Palácio do Planalto. Trocas podem ocorrer depois das eleições no Congresso, segundo o vice
Presidente Jair Bolsonaro participa da solenidade de Ações de Graça, acompanhado pelo vice-presidente Hamilton Mourão, no Palácio do Planalto. Trocas podem ocorrer depois das eleições no Congresso, segundo o vice

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, disse que o governo poderá trocar “alguns ministros” depois das eleições para a presidência da Câmara e do Senado, entre eles o das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

As afirmações foram feitas em entrevista à Rádio Bandeirantes nesta 4ª feira (27.jan.2021).

Eu acho, julgo, não tenho bola de cristal para isso, nem esse assunto foi discutido comigo, que em um futuro próximo, após essa questão das eleições dos novos presidentes das duas casas do Congresso, poderá ocorrer uma reorganização do governo para que seja acomodada a nova composição política que emergir desse processo“, falou. “Talvez alguns ministros sejam trocados, entre eles, o próprio Ministério das Relações Exteriores“.

As eleições na Câmara e no Senado serão em 1º de fevereiro.

Apesar da especulação, Mourão disse preferir aguardar porque o assunto não teria sido discutido com ele.

DIZ PARTICIPAR POUCO

Mourão também falou que o presidente Jair Bolsonaro poderia acioná-lo mais. “Eu sempre estou pronto para auxiliar e tenho procurado fazer isso dentro dos meus limites de atuação, mas é óbvio que eu queria ter uma participação maior”, afirmou.

Disse que não existem condições para um impeachment de Bolsonaro. A pressão para o processo poderá diminuir depois que avançar o processo de vacinação contra a covid-19, segundo avaliou o vice.

Acho que há muito ruído e muita gritaria, fruto de um desconhecimento sobre as vacinas. O mundo inteiro está com problemas para ter acesso a essas vacinas. As empresas que fabricam a vacina são poucas, os insumos vêm principalmente da China e da Índia, e nós vamos ter ao longo desse semestre dificuldade para todos e o assunto termina por respingar aqui“, declarou.

O Brasil tinha aplicado pelo menos 1.107.331 doses de vacinas contra o coronavírus até a manhã desta 4ª feira (27.jan). Os dados são do CoronavirusBot, que complica dados do Ministério da Saúde e das secretarias estaduais de saúde.

A vacinação até o momento equivale a 5.229 doses a cada milhão de habitantes no país.

Sobre a vacinação, Mourão falou das pessoas que furam a fila e são imunizadas mesmo não fazendo parte dos grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde.

Eu tive um chefe militar que dizia que cada um tinha que saber o tamanho da sua cadeira. Acho que aqui no Brasil quem não compreendeu qual é o tamanho da sua cadeira termina por atrapalhar o processo. Se alguém furou a fila, manda pagar cesta básica, algum tipo de punição, mas não precisa jogar no calabouço. Existem punições administrativas que podem ser conduzidas e a pessoa entender o erro que cometeu”, disse.

Ele1 - Criar site de notícias