Segunda, 25 de Janeiro de 2021 14:26
67 99879-8533
Dólar comercial R$ 5,51 0.546%
Euro R$ 0, 0%
Peso Argentino R$ 0,06 -0.52%
Bitcoin R$ 198.069,22 +1.341%
Bovespa 117.380,49 pontos -0.8%
Economia Variação do PIB

Mourão diz que alta de 7,7% no PIB do terceiro trimestre é um 'bom resultado' e 'bateu na trave' das previsões

Resultado do PIB é o maior para um trimestre desde o início da série histórica, em 1996. Mediana das previsões do mercado estimavam uma alta de 8,8%.

03/12/2020 15h00
64
Por: Andressa Macedo Fonte: G1
PIB do 3º trimestre — Foto: Editoria de Arte/G1
PIB do 3º trimestre — Foto: Editoria de Arte/G1

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta quinta-feira (3) que considerou um “bom resultado” a alta de 7,7% do Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre de 2020, na comparação com os três meses anteriores.

O crescimento do PIB, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), confirmou a saída do Brasil da chamada "recessão técnica". Contudo, a expansão recorde da economia em um terceiro trimestre foi insuficiente para recuperar as perdas do ápice da pandemia de coronavírus no país.

Questionado sobre o resultado em entrevista no Palácio do Planalto, Mourão disse que foi um “bom resultado”. Indagado sobre o fato do resultado ter ficado abaixo do esperado (o mercado aguardava alta de 8,8%), Mourão disse que “bateu na trave”.

"Expectativa é expectativa, a expectativa era oito e alguma coisa, ficou 7,7%, bateu na trave", disse.

Mourão também afirmou que as perdas que o país teve na economia durante a pandemia serão recuperadas no final deste ano e ao longo de 2021.

"A queda do segundo trimestre foi muito grande, ela vai ser recuperada ao longo desse terceiro, mais o quarto [trimestres] e ao longo do ano que vem. Isso já era o esperado. O grande ponto é que as principais instituições davam que o Brasil ia ter uma queda grande este ano e a queda não será tão significativa", disse.

Recuperação incompleta

A forte reação do PIB no 3º trimestre foi sustentada principalmente pelos expressivos gastos do governo com auxílios e medidas de transferência de renda. A recuperação, no entanto, foi marcada pela heterogeneidade, com diversos segmentos ainda enfrentando dificuldades para voltar à normalidade, sobretudo atividades do setor de serviços.

O resultado é similar ao verificado em outros países que também tiveram suas economias fortemente afetadas pela pandemia. Nos países que integram a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a alta foi de 9% no 3º trimestre.

Ele1 - Criar site de notícias