Laranjal do Bivar

PF indicia Bivar por esquema de candidaturas laranja no PSL

Investigações concluíram que foram omitidas movimentações de recursos do fundo partidário, através de três candidatas fictícias.

29/11/2019 18h14
Por: Redação 2
Fonte: Correio do Povo
Bivar recebeu R$ 1,8 milhão de verba pública eleitoral - Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado/Divulgação/CP
Bivar recebeu R$ 1,8 milhão de verba pública eleitoral - Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado/Divulgação/CP

A Polícia Federal indiciou nesta sexta-feira o deputado federal Luciano Bivar, presidente nacional do PSL, por supostas fraudes na aplicação de recursos destinados a candidaturas femininas em Pernambuco.

Em outubro, a liderança do ex-partido do presidente Jair Bolsonaro foi alvo da da Operação Guinhol, desencadeada pela PF, que apontava para a existência de indícios de que os recursos destinados às candidaturas de mulheres foram usados "de forma fictícia" e "desviados para livre aplicação do partido e de seus gestores".

As investigações concluíram que o representante do Partido Social Liberal em Pernambuco teria ocultado, disfarçado e omitido movimentações de recursos financeiros oriundos do fundo partidário, através de três candidatas fictícias.

A PF imputa a Luciano Bivar os crimes tipificados nos artigos 350 e 354 do Código Eleitoral e no artigo 288 do Código Penal.

O 350 do Código Eleitoral diz: “Omitir, em documento público ou particular, declaração que dele devia constar, ou nele inserir ou fazer inserir declaração falsa ou diversa da que devia ser escrita, para fins eleitorais – pena até 5 anos de reclusão e multa”.

A operação que fez buscas contra o presidente do PSL teve como base um inquérito policial instaurado por ordem do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco para apurar a possível prática de omissão de declarações para fins eleitorais, apropriação de recursos destinados ao financiamento eleitoral e associação criminosa.

Em Pernambuco, a PF investiga, desde março, suposto esquema de irregularidades no Estado na aplicação do fundo eleitoral da legenda na campanha de 2018.

Autorizada pelo TRE-PE, a apuração envolvia a candidata à deputada federal Maria de Lourdes Paixão, que teria atuado como laranja para receber R$ 400 mil de verba pública eleitoral.

Nesta quarta-feira, a Corte reprovou as contas de Maria de Lourdes Paixão e determinou que ela devolva R$ 380 mil ao fundo partidário.

O valor tem relação com os recursos públicos cuja utilização, segundo a Procuradoria, "não foi devidamente comprovada".

No parecer ao TRE, a Procuradoria Eleitoral registrou que há "fortes indícios" de que a candidatura de Lourdes teria sido "fictícia". Segundo o texto, Lourdes Paixão foi a candidata do PSL que mais recebeu recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha no Estado – R$ 400 mil.

Ela foi também a segunda candidata do partido a receber o maior volume de verbas, atrás de Luciano Bivar, presidente da legenda e único candidato eleito, que recebeu R$ 1,8 milhão.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Campo Grande - MS
Atualizado às 20h27
22°
Trovoada e chuva Máxima: 33° - Mínima: 22°
22°

Sensação

37 km/h

Vento

94%

Umidade

Fonte: Climatempo
Café Marita
Municípios
Espetaculo Delivery
Últimas notícias
Old School Conveniência
Mais lidas
AACC